Reconhecimento de uma carreira de sucesso

Gilda Correia distinguida pela Federação Portuguesa de Basquetebol

Vestiu a camisola da Seleção Nacional por 47 vezes, conquistou 2 Campeonatos Nacionais, 2 Taças de Portugal, 2 Supertaças e 2 Taças Vítor Hugo. A estarrejense recebeu o Prémio Carreira da FPB.

Quinta, 28 de Novembro 2013

Foi com orgulho que Gilda Correia recebeu o Prémio Carreira da Federação Portuguesa de Basquetebol (FPB). A entrega de prémios da Liga Feminina relativos à época 2012/13 teve lugar este mês no pavilhão dos Lombos, em Carcavelos, durante a 29.ª edição da Supertaça Feminina 2013. A Câmara Municipal de Estarreja presta também a sua homenagem a esta estarrejense e aos êxitos que foi colecionando e que culminam com esta distinção.

Ao longo da sua carreira, a antiga internacional Gilda Correia vestiu a camisola da Seleção Nacional por 47 vezes, conquistou dois Campeonatos Nacionais, duas Taças de Portugal, duas Supertaças e duas Taças Vítor Hugo.

A distinção da atual treinadora do CRC Quinta dos Lombos constituiu um dos momentos altos da sessão, que decorreu no dia 3 de novembro, festejado com um enorme aplauso dos muitos adeptos que marcaram presença nas bancadas. “Foi um misto de emoções. Uma certa nostalgia e saudade dos tempos passados, uma estranha sensação de dever cumprido, satisfação e gratidão pelo reconhecimento, alguma surpresa por ter sido indicada e uma enorme vontade de calçar as sapatilhas mais uma vez”, conta Gilda.

Eleita por votação e com um palmarés que fala por si, a estarrejense mostrou-se ainda assim surpreendida pois “todas as atletas distinguidas até ao momento com este prémio possuem currículos vastos e invejáveis, mais há, com igual qualidade que ainda não foram distinguidas e, fazer parte deste grupo de atletas, é sem dúvida um orgulho”.

Recebeu ao longo da sua carreira algumas distinções, mas confessa “nunca foram uma ambição”. O Prémio Carreira “é diferente, este é uma coleção de memórias, simboliza um caminho que não foi percorrido apenas por mim. É um reconhecimento a todos aqueles que estiveram a meu lado e me apoiaram, que me permitiram dedicar-me à modalidade e por ela ter tido uma passagem digna de referência”.

“Referir o nome de Gilda Correia é recordar alguém que muito deu ao basquetebol feminino”, refere a FPB no seu site. “Uma carreira cheia de sucesso” que principiou aos 12 anos no Esgueira. Iniciou a prática do basquetebol por influência do pai, que “pendurou lá em casa uma tabela na esperança de alguém se interessar por aquilo. Passou a ser um dos meus entretenimentos”, recorda. Representou o Illiabum, Anadia, Olivais, PT Coimbra e CAB Madeira, onde esteve durante 7 épocas (até 2009/10).

Pelas madeirenses conquistou dois Campeonatos Nacionais (2004/05 e 2005/06), duas Taças de Portugal (2005/06 e 2006/07), duas Supertaças (2006/07 e 2007/08) e duas Taças Vítor Hugo (2007/08 e 2008/09). Uma lesão complicada a nível do tendão de Aquiles (3 cirurgias) obrigaram-na a abandonar, aos 29 anos. É professora de Educação Física e atualmente é treinadora adjunta da equipa sénior do CRCQ Lombos, sendo também a treinadora principal das Sub-19 do emblema dos Lombos.

Olhando para o seu percurso de 18 anos como praticante, Gilda destaca para além dos títulos alcançados, todos os que a acompanharam. “Fui campeã nacional, fui internacional e conquistei vários outros títulos mas a carreira desportiva de qualquer atleta não é apenas retrato dos seus sucessos desportivos, existe toda uma envolvência social que nos vai moldando. Tive a felicidade de encontrar nesse caminho, pessoas fantásticas, que me ensinaram, que se tornaram amigas e que me serviram de referência. Neste aspeto ganhei substancialmente mais vezes do que jogos ou campeonatos”.

Encerrado o capítulo como atleta, Gilda Correia iniciou um novo como treinadora, onde mantém objetivos: “dar o melhor de mim na obtenção dos melhores resultados. Talvez os melhores resultados sejam ganhar campeonatos nacionais ou talvez sejam ensinar uma jogadora a fazer um lançamento na passada, em todos e qualquer um deles ficarei satisfeita por poder contribuir para o desenvolvimento e crescimento de uma modalidade que tanto me deu e continua a dar”.

Na sua opinião o seu novo papel extravasa a função de formação desportiva. “Tem a responsabilidade de incutir determinados valores, como a perseverança, determinação ou humildade, necessárias a qualquer um que queira vencer, quer seja um campeonato ou noutra área da vida”.


:: Entrevista a Gilda Correia neste link da Federação Portuguesa de Basquetebol